Loading... (0%)

Dra. Natália dá entrevista sobre Trombose Venosa à Rádio Piratininga

22 October 2020

Ouça a entrevista da Dra. Natália na Rádio Piratininga: 

https://open.spotify.com/episode/3gYpx6SFj1P81OoFBGVZqp

 

A Dra. Natália Teixeira Souza, que integra a equipe do SHH – Serviço de Hematologia, deu entrevista no dia 20/10, à Rádio Piratininga, sobre Trombose Venosa. O objetivo da entrevista foi orientar os ouvintes sobre a doença e esclarecer dúvidas. No dia 13/10 foi celebrado o Dia Mundial da Trombose.

Todos os anos são registados 10 milhões de casos de trombose venosa no mundo. No Brasil não há registros precisos, mas dados do Ministério da Saúde afirmam que, de cada mil brasileiros, um ou dois tenham trombose.

A trombose acomete principalmente as veias das pernas (trombose venosa profunda) e os pulmões (embolia pulmonar), uma das principais causas de morte súbita nos hospitais.

A principal causa da trombose venosa profunda é a imobilidade prolongada, comum não só em viagens aéreas e terrestres, mas também nos casos de permanência no leito em repouso por doenças e após cirurgias. Lesões nos vasos e desequilíbrio nos fatores de coagulação do sangue também são responsáveis pela formação de trombos.

Sintomas

Apesar dos sinais e sintomas da trombose não serem específicos e muitos pacientes serem assintomáticos, os mais frequentes são:

  • Dor ou sensibilidade, muitas vezes começando na panturrilha;
  • Inchaço incluindo tornozelo e pé
  • Vermelhidão e cal

Fatores de risco

  • Internações prolongadas e cirurgias de longa duração,
  • Câncer, quimioterapia e hormonioterapia
  • Não se mover por um longo tempo devido ao repouso na cama e viagens de longa duração
  • Idade acima de 40 anos
  • Predisposição genética
  • Traumas
  • Uso de anticoncepcionais
  • Obesidade
  • Gravidez e pós-parto
  • Tabagismo
  • Dificuldade para caminhar
  • Varizes
  • Insuficiência cardíaca ou respiratória.

Pacientes que apresentam predisposição à doença devem ser avaliadas por um hematologista quanto ao risco trombótico e fazer a profilaxia nas situações de risco, a fim de minimizar o desenvolvimento da doença. Quando há suspeita de trombose o diagnóstico deve ser feito rapidamente e o tratamento iniciado de imediato.

 

Assessoria de Imprensa