Loading... (0%)

Hematologista alerta para riscos e sintomas da anemia

23 December 2020

A anemia afeta quase 25% da população mundial. Ocorre quando os glóbulos vermelhos, que contêm a hemoglobina (responsável pelo transporte do oxigênio para o corpo), estão em baixa quantidade ou não funcionam adequadamente, causando a redução da oxigenação do cérebro, coração e músculos, por exemplo. Por ser a manifestação ou consequência de algum problema de saúde, a causa da anemia deve ser investigada para que ela possa ser diagnosticada e tratada.

Palpitações, cansaço, falta de ar, fadiga, palidez de pele e mucosas (parte interna do olho), dor no peito, dor de cabeça, irritabilidade, falta de concentração, tontura, unhas quebradiças e queda de cabelo são sinais e sintomas comuns da anemia, de acordo com a Dra. Leila Pessoa de Melo, diretora clínica do SHH – Serviço de Hematologia,

A intensidade desses sintomas vai depender do grau da anemia e da velocidade de instalação da doença, bem como da demanda de oxigênio do paciente. “Quando a instalação é lenta, os sintomas são mais brandos, pois o corpo se adapta à nova realidade de déficit de oxigenação. Porém, quando a anemia é mais aguda, como ocorre no caso de uma hemorragia, os sintomas são mais repentinos e evidentes”, explica a hematologista.

A anemia por deficiência de ferro (ferropriva) é a mais frequente e representa 90% dos casos. Pode ser provocada por uma dieta pobre em ferro, perdas sanguíneas e má absorção de ferro. Também são comuns as anemias por deficiência de vitamina B12 e ácido fólico, provocadas por uma dieta inadequada ou dificuldade de absorção desses elementos pelo trato gastrointestinal.

Segundo a Dra. Leila, mulheres em idade fértil, gestantes, crianças, adolescentes e idosos têm maior risco de desenvolver anemia devido ao desequilíbrio entre a alimentação (reposição de nutrientes) e perdas (menstruais e gastrointestinais) ou ainda à maior demanda do corpo dependendo da fase da vida”.

Outra causas de anemiaA anemia também pode ser decorrente de causas genéticas como a anemia falciforme a talassemia, hemólise (destruição das hemácias), doenças renais, doenças inflamatórias, endócrinas, câncer, doenças hepáticas, do aparelho digestivo e doenças da própria medula óssea (onde o sangue é fabricado), como leucemias, mieloma, aplasias e mielodisplasias.

Dra. Leila explica que a anemia pode ser confirmada por meio de um hemograma, com um simples exame de sangue. Dependendo do tipo de anemia, o hematologista pode solicitar exames complementares para identificar as causas da anemia e estabelecer a melhor estratégia de tratamento.

 

Publicado no Caderno Saúde+ do Jornal O Vale